FGV
Técnico
DPE-RS
2023

Texto 1

Menos mortes e engarrafamentos: movimento quer reduzir a velocidade nas cidades brasileiras (adaptado)

Por Marcela Donini e Tiago Medina

Mais que uma mudança de cidade e país, a vida da fonoaudióloga Paula Dallegrave Priori mudou de estilo a partir de 2021. Acompanhada do marido e da filha, então com menos de 3 anos, ela trocou Porto Alegre por Barcelona. O carro da família, tão necessário para deslocamentos na capital gaúcha, ficou do lado de cá do oceano. Se antes era um elemento presente no cotidiano, tornou-se anacrônico na nova cidade.

“A percepção do trânsito em relação a Porto Alegre é bem clara: aqui é muito melhor. Não percebemos o ambiente tóxico que é o trânsito aí”, compara ela, usuária frequente do metrô, além de pedestre habitual. Aliás, caminhar na rua com a filha é, agora, mais tranquilo. “Os carros não andam em alta velocidade, respeitam o pedestre, faixa de trânsito, usam a seta, enfim tu consegues prever o que vai acontecer.”

Tendência em cidades que são exemplo em mobilidade ativa, a redução de velocidade foi decretada pelo governo espanhol em maio de 2021. Desde então, os limites na maioria das vias urbanas de todas as cidades espanholas são de até 30 km/h […].

Um movimento no Brasil quer entrar nessa onda e readequar os limites nas vias das cidades de todo o país. A União de Ciclistas do Brasil (UCB), em parceria com outras entidades como a Fundação Thiago Gonzaga, propõe uma alteração no Código de Trânsito Brasileiro que fixaria em 60km/h o máximo permitido nas vias de trânsito rápido e 50km/h nas vias arteriais. […] O máximo para vias coletoras e locais permaneceria em 40km/h e 30 km/h.

[…]

O documento publicado pela entidade apoia-se ainda em experiências brasileiras e estrangeiras nas quais a redução das velocidades levou a maior segurança no trânsito. São Paulo, por exemplo, fez alterações significativas nesse sentido desde 2011. Em 2015, foram reduzidos os limites em duas das principais vias expressas, as marginais Tietê e Pinheiros […]. O sucesso da operação, destaca o relatório da UCB, foi verificado no ano seguinte, quando a cidade registrou uma queda de 52% no número de mortes nas duas marginais.

Outras experiências dentro e fora do Brasil comprovam a relação entre velocidades menores e menos mortes, mas ainda falta comunicar efetivamente esses dados à população. Uma pesquisa de opinião encomendada pela UCB a uma empresa terceirizada revelou que 82% dos entrevistados conhecem alguém que morreu no trânsito, e 9 em cada 10 consideram alto o número de mortes nas vias brasileiras. Quando a questão são limites de velocidade mais baixos, metade concorda que isso evitaria mais óbitos, mas 8 em cada 9 deixaram de citar a redução dos limites como fator importante para essa queda.

[…] “As pessoas sempre pensam que vão ter perda se forem mais devagar. Ao contrário, o trânsito flui melhor”, diz, citando o exemplo da ponte Rio-Niterói, onde o limite passou de 110km/h para 80km/h e houve melhoria na fluidez. “Por isso, estamos deixando de falar em redução, e usando o termo readequação de velocidades”, explica.

Ana Luiza Carboni, coordenadora do projeto Vias Seguras, destaca uma ilustração didática aprendida com a engenheira de transportes e professora da Universidade Federal de Alagoas Jessica Lima. “Pense em uma torneira aberta, com ralo pequeno. Se você abrir toda a torneira, a água vai acumular. Se abrir menos, ela vai escoar, vai passar mais lentamente, mas constantemente”, exemplifica. “É preciso mudar a visão de que ‘a velocidade vai fazer eu chegar primeiro’. Já está provado que a redução da velocidade máxima não tem impacto na velocidade média. As cidades são feitas de gargalos. Acelerar significa apenas que você vai chegar mais rápido num gargalo”, completa.

[…]

Status do carro

Em cidades planejadas para o carro, não à toa a população mais vulnerável no trânsito são pedestres, ciclistas e motociclistas – e dentro desse grupo, as vítimas mais comuns são pessoas negras, destaca Carboni.

Para a engenheira civil e gerente de mobilidade ativa do WRI, Paula Manoela dos Santos, a questão geracional é chave na mudança de visão que ainda precisa ser feita para o carro deixar de ser visto como o elemento central na mobilidade. “Ainda habita em nós uma questão de status do carro. A bicicleta é vista como veículo só no Código de Trânsito Brasileiro. Para as pessoas, nem sempre. Diria que até é um pouco marginalizada, como considerar que quem anda de bicicleta não teve sucesso”, diz.

Carboni sabe bem do que Santos está falando. A ativista, que não tem carro há oito anos, costuma contar a história de suas idas ao mercado: “Na hora de pagar, sempre perguntam se tenho o ticket do estacionamento, e eu respondo que não tenho carro. Até que um dia uma caixa falou ‘Deus há de prover um pra você’”.

Apesar de o caminho até um trânsito mais seguro ser longo, os especialistas ouvidos pelo Matinal são otimistas. Bohn lembra que já se avançou muito: “Hoje não é mais aceitável beber e dirigir como era 20 anos atrás”. A engenheira da WRI faz questão de ressaltar que as novas gerações têm outro entendimento, especialmente em relação ao carro.

Paula que o diga. A porto-alegrense cuja história abre a reportagem tem convicção de que o novo estilo de vida irá mudar a perspectiva da filha, de 4 anos, sobre mobilidade. “Hoje, ela está muito mais acostumada a ver as pessoas fazendo as coisas de bicicleta. Os ciclistas enfrentam dia de chuva, de frio. Isso é normal”, diz. Além do automóvel, também ficou para trás o hábito de entregar o celular na mão da pequena para driblar a impaciência dos momentos de trânsito parado.

Disponível em: https://www.matinaljornalismo.com.br/matinal/reportagem-matinal/reduzir-velocidade-nas-cidades-brasileiras/

“O máximo para vias coletoras e locais permaneceria em 40km/h e 30 km/h.”

Nesse fragmento do texto 1, um verbo flexionado no futuro do pretérito veicula um significado específico.

Dentre as frases abaixo, aquela em que o verbo sublinhado apresenta o mesmo valor semântico observado na passagem acima é:

Comentário longo

O trecho original tem o futuro do pretérito como normalmente o usamos: para falar de algo que aconteceria no futuro, com base em algo que se passou.

“O máximo para vias coletoras e locais permaneceria em 40km/h e 30 km/h.”

→ No passado: nas vias coletoras e locais a velocidade era de 40km/h e 30 km/h.

→ No futuro: nas vias coletoras e locais a velocidade continuaria de 40km/h e 30 km/h.

Agora vamos analisar a alternativa que usa o futuro do pretérito desse mesmo jeito.

(A)

Este projeto, se colocado em prática, mudaria a vida de muita gente.

→ No passado: projeto não feito.

→ No futuro: com o projeto feito, a vida das pessoas muda.

→ O futuro do pretérito indica de algo que aconteceria no futuro com base no passado.

(B)

A testemunha afirmou que o motorista teria fugido sem prestar socorro.

→ O futuro do pretérito indica, neste caso, suposição / incerteza.

(C)

Você poderia me fazer um favor?

→ Dá para colocar no presente do indicativo: Você pode me fazer um favor?

→ O futuro do pretérito indica, neste caso, um pedido.

(D)

Tinha ficado combinado que João faria o trabalho.

→ Na ordem direta: João combinou: vou fazer o trabalho.

→ O futuro do pretérito indica, neste caso, transposição para a ordem indireta.

(E)

João prometeu que iria ao evento.

→ Na ordem direta: João prometeu ir ao evento.

→ O futuro do pretérito indica, neste caso, transposição para a ordem indireta.

Qual é o significado que o futuro do pretérito tem?

Conjugação no futuro do pretérito:

  • eu faria
  • tu farias
  • ele faria
  • nós faríamos
  • vós faríeis
  • eles fariam

O futuro do pretérito pode trazer alguns significados, e temos que estar preparados para eles.

Vejamos abaixo.

Significado 1 (futuro com base no passado)

Possibilidade futura em relação a um momento do passado.

  • O jornal informou que o preço da varinha continuaria por 100 galeões.
    • Possibilidade futura = continuar por 100 galeões
    • Momento do passado = o preço já era de 100 galeões
  • Luna mudaria o mundo bruxo, se fosse menos excêntrica
    • Possibilidade futura = mudar o mundo
    • Momento do passado = mundo no estado em que estava

Significado 2 (denotar desejo)

Querer usar, na verdade, o presente do indicativo.

  • Neville, você poderia me dar um remédio?
    • Mesma coisa de “Neville, você pode me dar um remédio?”
  • Desejaria ver Luna na Grifinória.
    • Mesma coisa de “Desejo ver Luna na Grifinória.”

Significado 3 (transposição do discurso direto para o indireto)

  • Hermione disse: vou estudar.
    • Hermione teria dito que estudaria.
  • Dobby pegou a meia e disse que era um elfo livre.
    • Dobby teria pegado a meia e dito que seria um elfo livre.

Significado 4 (indicar incerteza / suposição)

  • Snape confirmou que Voldemort teria dado a Draco a missão de matar Dumbledore.
Futuro do pretérito-01

Compartilhar esta questão:

Faça sua pré-matrícula:

plugins premium WordPress
>