4 dicas para garantir excelentes notas em redação (valem para qualquer banca)

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×

Redação deixa sempre um clima de suspense, no mundo dos concursos públicos. A verdade é que muitos têm problemas ao escrever seus textos, e na maioria das vezes não sabem o que e por que estão errando. Este artigo responderá a dúvidas de quem precisa garantir uma boa nota nas discursivas.

A seguir, eu cito alguns problemas que os concurseiros de um modo geral enfrentam, quando o assunto é redação:

  • Fogem do tema como o diabo foge da cruz
  • Não entendem por que seus textos não são considerados claros por outras pessoas
  • Tiram notas baixas, apesar de se considerarem bons em português
  • Preocupam-se mais com a legibilidade da letra do que com o que vai escrever (esse é um dos erros mais tristes)
  • Escrevem sem pensar e, por isso, cometem erros básicos
  • Não conseguem responder o que a banca pergunta
  • Sabem escrever para outros meios, mas não sabem escrever para o examinador
  • Acham que não sabem nada sobre o tema
  • Têm medo de fugir do café com leite (e não acrescentam, ao texto, parágrafos essenciais para aumentar a nota)

Se você se encaixa em pelo menos um dos “males da redação” citados na lista acima, então este post é para você. Escrever bem se tornou uma obrigação para a maioria esmagadora de concurseiros, e cometer qualquer gafe pode ser a diferença entre passar ou não.

É muito comum ver notas ZERO (ou notas muito baixas, até mesmo insuficientes para fazer o mínimo que a banca pede), em redações de concursos. Eu já vi bons concurseiros tirando notas altíssimas na parte objetiva da prova e reprovando na parte discursiva.

Escolha entre conteúdo e forma.

O propósito do meu artigo é evitar que você esteja na pele de concurseiros assim. Quero que você tire a nota máxima. Por isso, eu trago, agora, 4 dicas matadoras para você melhorar sua redação e tirar notas altas em seus textos. Em resumo, as dicas são:

  1. Entre aspectos formais e aspectos de conteúdo, escolha os de conteúdo
  2. Não deixe o examinador pensar
  3. Citação: por que, quando e como fazer
  4. O que fazer na hora da prova
  5. Como colocar em prática

 

Dica #1. Entre aspectos formais e aspectos de conteúdo, escolha os de conteúdo

É verdade que se deve tomar alguns cuidados formais na hora de fazer uma redação, mas o que mais importa é o seu conteúdo. Muito mais do que acertar na gramática ou fazer uma letra legível na hora de passar a limpo um texto, a banca quer saber se você sabe mesmo sobre o tema.

Na maioria dos casos, os aspectos formais contam apenas 10% da nota de sua redação, enquanto os de conteúdo são distribuídos nos 90% restantes.

E por que isso acontece?

Existe essa Teoria, sabe – a Teoria do Iceberg –, segundo a qual os aspectos visíveis e palpáveis são menos importantes do que os aspectos invisíveis e abstratos.

Vou explicar melhor.

Essa Teoria foi formulada por um dos maiores escritores da literatura norte-americana (Ernest Hemingway). Ela é denominada “Teoria do Iceberg” porque, não importa o tamanho que seja um iceberg acima da superfície marítima (com um pico visível), sua parte abaixo da linha do mar (invisível) será sempre maior. Essa analogia foi feita por Hemingway para demonstrar que a parte formal de um texto (como escrever) é menos importante do que sua parte informal (o que escrever).

A Teoria do Iceberg pode ser facilmente incorporada às questões discursivas de concursos públicos. No gráfico a seguir, mostro essa teoria aplicada à maioria dos casos de provas subjetivas:

Teoria do Iceberg em discursivas
Gráfico da nota: dê mais valor ao conteúdo (Teoria do Iceberg adaptada para redações de concurso).

 

Agora vou te mostrar alguns exemplos na prática. Abaixo, estão partes de alguns dos editais mais cobiçados da administração pública, mais especificamente, as partes que trazem os critérios de avaliação das bancas de concurso. Ao lado esquerdo de cada parte do edital, há um gráfico vermelho, mostrando os aspectos “acima da superfície” do iceberg, e um gráfico verde, mostrando os aspectos “abaixo da superfície” do iceberg.

Questão discursiva (Senado 2012)
Critérios de correção de uma das provas discursivas para Analista Legislativo do Senado Federal (2012). Banca = FGV.

 

Critérios de correção para o concurso da CGU
Critérios de correção para a prova de Analista de Finanças e Controle da CGU (2012). Banca = ESAF.

 

Como a FCC cobra redação
Critérios de correção para a prova de Analista Judiciário do TRT 5ª região (2013). Banca = FCC.

 

Critérios para a discursiva do BNDES (Cesgranrio).
Critérios de correção para a prova do BNDES (2013). Banca = Cesgranrio.

As mesmas observações que eu fizer abaixo (para o Cespe) valem para a Fundação Cesgranrio, já que ela também não coloca, no edital, critérios objetivos (em termos de pontos) de correção das discursivas.

 

Critérios de correção de redação do Cespe.
Critérios de correção para a prova de Técnico Judiciário e Analista Judiciário do TJDFT (2013). Banca = Cespe.

 

Já que o Cespe não divide as notas em uma tabela, vou explicar melhor o critério de correção, até porque essa é, de longe, a banca mais importante.

Quando você vai fazer uma redação do Cespe, a parte do iceberg “abaixo da superfície” vale 100% da nota (no caso, o 100% da discursiva do TJDFT foi de 10 pontos). Como é possível observar (no item 9.7.4), o Cespe leva tão a sério a pertinência do conteúdo que zera a prova de quem foge do tema! Cuidado.

Vale a pena destacar um ponto importantíssimo, que muitas pessoas desconsideram: o tópico 9.7.6 elimina qualquer candidato que tire menos de 50% na prova discursiva.

Ok, mas isso tudo significa que não existem erros formais, para o Cespe (acima da superfície)?

Existem! Eles são descontados da nota que você tirou na parte de conteúdo. Assim, caso você tenha tirado 10 na parte de conteúdo, ainda podem ser descontados erros de translineação, margens, legibilidade etc.

Ainda assim pode ser considerado que 90% da nota da prova será dada pelos aspectos de conteúdo?

Sim, sem dúvida. Principalmente no que diz respeito ao Cespe, o conteúdo vale muito mais do que os detalhes formais. Claro que, quanto menos pontos descontados, melhor, mas você deve SEMPRE estar atento ao conteúdo, ao tema. A relação entre a parte abaixo da superfície e a parte acima da superfície é de causa e consequência.

 Redação: causa e consequência

Se o seu conteúdo está bom (pertinente, coeso e bem conectado), então a parte formal de seu texto está boa. E por que isso acontece? Simplesmente porque, ao treinar conteúdo, você treina, automaticamente, o que está na superfície de seu texto.

Você não pode, entretanto, afirmar o seguinte: “se eu treinar a forma, estarei treinando o conteúdo”. Ãhn ãhn. É possível treinar forma fazendo até receita de bolo. Como sabemos que com receita de bolo não é possível passar em concursos públicos, o jeito é arregaçar as mangas e estudar – muito – como organizar as ideias e entregar um texto de extrema qualidade, ao examinador. E é isso o que vamos fazer.

 

Dica #2. Como fazer introdução, desenvolvimento e conclusão (o café com leite das discursivas para concursos)

É claro que existem alguns aspectos formais muito importantes, que contam pontos como se fizessem parte do conteúdo. São como aspectos “quase-que-formais” da redação: não chegam a ser formais, nem fazem parte do conteúdo, mas ajudam a criar o conteúdo. Esses aspectos são: introdução, desenvolvimento conclusão.

Para prosseguirmos, eu só quero que você vá com um conhecimento prévio: o significado de período. Período é uma frase que possui pelo menos uma oração (ou seja, pelo menos um verbo). Um período começa com letra maiúscula e termina com um ponto final. Beleza? Vamos continuar.

Introdução, desenvolvimento, conclusão

Já é lugar-comum dizer que uma redação precisa de introdução, desenvolvimento e conclusão. Isso é o básico, o café com leite de seu texto, então entenda melhor para que serve cada uma dessas três partes:

A introdução

Serve para dizer ao examinador que, hey, você entendeu o tema! Além disso, você tem que afirmar alguma coisa em relação ao tema, e também tem que dizer como vai desenvolver esse tema.

Peraí, Carol, agora eu me confundi forte, aqui.

Vou te explicar melhor.

Você vai dividir sua introdução em 2 partes:

Primeira parte (um ou dois períodos)

  • dizer ao examinador que entendeu o tema. Você faz isso ao repetir os aspectos gerais do tema. Isso não pode tomar mais do que uma linha.
  • afirmar alguma coisa sobre esse tema. Você faz isso se posicionando acerca do tema, concordando, discordando, falando de sua importância etc. Também deve tomar, no máximo, uma linha.

Essa primeira parte é o que os professores geralmente denominam “tese”.

Segunda parte (um a quatro períodos)

  • dizer ao examinador como seu tema será desenvolvido.

Isso é muito fácil de ser feito. O desenvolvimento tem, geralmente, 3 ou 4 parágrafos, como veremos a seguir. Você vai usar esses parágrafos para construir sua introdução.

Considere que você vai fazer algumas promessas ao examinador: “ei, examinador, vou falar disso, isso e daquilo outro!”.

Você faz isso da seguinte maneira: na introdução, em até três linhas, indique o que haverá nos parágrafos de seu texto. Seja claro ao fazer isso: separe cada assunto de cada parágrafo por vírgulas ou pontos.

Como fazer introdução.
Mapa mental 1: como fazer uma introdução.

Tranquilo, né? Então vamos para o desenvolvimento.

 

O desenvolvimento

Agora é hora de explicar tudo o que você falou na introdução, só que com detalhes.

Para o desenvolvimento, tenho três regras a te passar:

  • Cumpra o que você prometeu: na introdução, você fez algumas promessas. Você disse que iria falar sobre alguns assuntos, no decorrer do seu texto. Então, cumpra o que você prometeu, exatamente na ordem colocada na introdução.
  • Não faça nada além do prometido: há pessoas que prometem, na introdução, falar de “ABC” e acabam explicando o alfabeto inteiro. Você não deve fazer nem mais nem menos, mas a medida certa.
  • Obedeça ao princípio da igualdade entre os parágrafos: ok, eu inventei esse princípio, mas vou explicar melhor meu ponto de vista. O que mais vejo, em textos de concurseiros, é se começar o desenvolvimento com um parágrafo de 8 linhas e fazer mais dois parágrafos de 2 linhas. Não estou dizendo que deve haver exatamente a mesma quantidade de linhas, mas é sempre bom manter uma diferença de, no máximo, duas linhas, entre um parágrafo e outro, para você conseguir explicar toda a sua introdução.

O seu desenvolvimento ocupará pelo menos 60% do seu texto, e é responsável pela maior parte de sua nota na questão discursiva, então é melhor que o faça com carinho.

Desenvolvimento de um texto.
Mapa mental 2: como elaborar o desenvolvimento da redação.

 

A conclusão

Retome tudo o que foi dito, inclusive (e principalmente) sua tese.

Como você vai retomar (em dois períodos):

  • Relembre ao examinador tudo o que você disse no desenvolvimento.
  • Reafirme sua tese, ou seja, “reafirme sua afirmação” da introdução.

A conclusão é simples assim :)

Como concluir um texto.
Mapa mental 3: como fazer a conclusão de sua discursiva.

 

Dica #3. Se a banca te der limões, faça uma limonada

Não brigue com a banca: se ela te mandar fazer alguma coisa, obedeça. Em outras palavras, não invente de fazer um suco de morango se a banca te der limões.

O que a banca pode te pedir:

  • “Coloque um título” – só faça isso se a banca pedir formalmente.
  • “Assine seu texto com o nome Tal” – só faça isso se a banca pedir formalmente.
  • “Coloque uma data” – só faça isso se a banca pedir formalmente.
  • “Responda à seguinte pergunta” – nesse caso, basta responder à pergunta (sem introdução, desenvolvimento e conclusão).
  • “Use tal ordem, ao escrever seu texto”  – importante e obrigatório (vou explicar a seguir).
    • “Coloque, necessariamente, introdução, desenvolvimento e conclusão”  – importante e obrigatório (vou explicar a seguir).

Quero que você dê muita atenção aos dois últimos “tipos de pedidos” das bancas, acima. Aqui, há pegadinhas que podem te tirar do páreo.

A banca geralmente faz esses pedidos em uma estrutura de tópicos. Abaixo há um exemplo clássico de questão do tipo “estrutura de tópicos”.

(Cespe, MDIC, Analista Técnico-Administrativo, 2014)

MDIC 2014 (ATA)

Nesse tipo de situação, você terá que sair do café com leite. Perceba, no enunciado da questão discursiva, que a banca coloca a palavra “necessariamente”. Para você entender o que a banca realmente quer, troque a expressão “necessariamente” por “obrigatoriamente e NESTA ORDEM”.

Você fará um texto com apenas três parágrafos, sem introdução e sem conclusão.

Sei que pode parecer estranho, mas é assim que é. Quando há essa estrutura de tópicos, dizendo para que você atenda “necessariamente” ao que se pede, o examinador quer que você faça um parágrafo para o que é pedido no primeiro tópico, um parágrafo para o que é pedido no segundo tópico e um parágrafo para o que é pedido no terceiro tópico.

 

Dica #4. Conheça os mitos que te fazem errar e os use para acertar (o quinto mito é cruel)

Mitos te levam a errar

A preocupação exacerbada com os aspectos formais levam a mitos. Mitos levam a erros. Erros te prejudicam.

Abaixo, trago uma lista com os principais mitos, e como os superar.

Mito #1. “A letra tem que ser cursiva”

A sua letra pode ser letra de forma, desde que seja capitulada, ou seja, desde que dê para diferenciar as minúsculas das maiúsculas.

 

Mito #2. “Isso é para o que se falou e isto é para o que se vai falar”

Tanto faz: na hora de escrever, “isto” ou “isso” têm o mesmo significado. Não precisa se preocupar com a diferença entre um e outro.

 

Mito #3. “Eu não posso repetir palavras de jeito nenhum”

O seu texto tem de ser claro. Você não pode exagerar na repetição de alguns vocábulos (como ‘que’ e ‘de’), mas, se for necessário fazer a repetição, não se acanhe.

 

Mito #4. “Rascunho é perda de tempo”

Fazer o texto diretamente na folha definitiva é como dar um tiro no próprio pé. E eu falo isso por experiência própria. Use sua folha de rascunhos, nem que seja para fazer uma ficha do que você pretende falar.

Para fazer este texto, por exemplo, eu usei um super mapa mental, que me ajudou na hora de organizar as ideias, olha só:

Mapa mental
Meu mapa mental para escrever este texto.

 

É claro que, para sua prova, o mapa mental seria muito menor.

E a boa notícia é: com o tempo, criando muitos mapas antes de escrever seu texto, você aprenderá a fazer rascunhos em menos de 5 minutos.

 

Mito #5. “Escrever bem significa escrever palavras difíceis”

Não! Não deixe o examinador pensar! Seja claro, evite termos técnicos (mesmo que seu texto seja para um cargo relacionado a alguma área cheia de jargões). Se precisar usar algum termo técnico, explique-o.

 

Mito #6. “Não existe mais a regra de colocar aspas em palavras estrangeiras”

Ouvi muito esse mito quando a ESAF, uma vez, cobrou o assunto “accountability”. As pessoas insistiam que esta palavra estrangeira não precisava de aspas porque ela já tinha sido escrita no enunciado da questão. Balela pura. Quem não colocou as aspas perdeu pontos, na prova.

O fato é que ainda é obrigatório utilizar aspas em quaisquer palavras estrangeiras. Claro que, se fosse em um texto no computador, o certo seria colocar itálico. Como não é, coloque aspas e fica tudo certo.

As palavras (e expressões) estrangeiras mais comuns são: internet, a priori, email, output, software, online, site, blackout, internet, checks and balances, accountability, best seller, ticket, management.

 

Mito #7. “Quando eu não sei a grafia certa da palavra, o jeito é chutar”

Quando você não souber a grafia de uma palavra, faça o máximo de esforço para encontrar um sinônimo. Eu selecionei algumas palavras que deixam dúvidas, mas, se ainda assim você não conseguir lembrar ou tiver o mínimo de dúvida, procure um sinônimo.

Grafia de algumas palavras comuns, em redações de concursos públicos:

  • Exceção
  • Assessor
  • Cálculo
  • Enchente
  • Excepcional
  • Sessão (usada para designar reuniões ou assembleias separadas em determinados períodos de tempo) – exemplo: “A sessão da Câmara dos Deputados iniciar-se-á às 10h” ou “A sessão do filme ainda não começou”
  • Seção (parte de um todo) – exemplo: “Seção XIX” ou “Seção de roupas”
  • Cessão (substantivo que vem do verbo ceder)
  • Norte-americano
  • Frisar
  • Perda: substantivo
  • Perca: verbo

Esses são os mitos, de maneira geral. Você lembra de mais algum? Comente!

 

Resumindo: o que você aprendeu?

  • A verdadeira razão de ser do seu texto está no conteúdo (90% da nota), não na forma (10% da nota);
  • A introdução serve para você construir sua tese e montar três argumentos, que serão explicados no desenvolvimento;
  • No desenvolvimento, faça parágrafos com tamanhos parecidos, e explique o que foi prometido na introdução;
  • A conclusão deve retomar o que foi dito no desenvolvimento e reafirmar a tese da introdução;
  • Se a banca te der uma estrutura de tópicos, responda a esta estrutura na ordem pedida pela banca;
  • Defenda-se dos mitos sobre redação, principalmente dos seguintes:
    • “Escrever bem significa escrever palavras difíceis”;
    • “Rascunho é perda de tempo”.

 

E aí? Deu para entender?

Agora você me diz: entendeu como é possível melhorar sua redação e torná-la muito mais clara? Estude redação, escreva frequentemente e siga as dicas que dei. Com o tempo, você sentirá bem mais facilidade ao redigir textos para a banca de seu concurso.

Qualquer coisa, comente :)

Bons estudos, boa sorte, boa vida.

Carol ;)

 

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Email -- 0 Flares ×
  • Israel Farias

    Achei a dica nº 3 muito útil! Não fazia ideia de que a estrutura era obrigatória…

    • É massa, né? Quando eu vi isso pela primeira vez, pensei: “meu mundo caiu”!

      • Benedito

        Carol, fiz duas provas com discursivas e não fui bem, e até entendo o motivo agora. Quando eu li esse comentário só resta dizer que meu mundo também caiu. Estudar é precisooooooooo. Tenho algumas dúvidas que depois vou te enviar para pedir uma luz.

  • Paulo César

    olá carol. Seria bom se tivesse um link para imprimir as matérias. Muito bom o site. parabéns

    • Obrigada, Paulo! Realmente é uma ótima ideia ;)
      Vou disponibilizar cada post como PDF para impressão, num futuro breve :D

      Abraços,
      Carol.

  • Marcos

    Carol, resumindo, para vir se eu entendi. Serão, dependendo da redação, 4 ou 5 parágrafos. O primeiro é a introdução, especificando para aonde quero ir. O segundo e terceiro serão o desenvolvimento da minha ideia. O quinto será a conclusão, que farei retomando e afirmando o que havia dito na introdução. Esse técnica também pode ser adotada em caso de questão discursivas de concursos para 2ª fase de certame, ou nesses casos não ha necessidade de seguir uma quantidade, podendo eu passar ou mesmo resumir tudo em apenas um.

    Parabéns pelo site…

  • Marcos

    Carol, resumindo, para vir se entendi. Serão, dependendo da redação, 4 ou 5 parágrafos. O primeiro é a introdução, especificando para aonde quero ir. O segundo e terceiro serão o desenvolvimento da minha ideia. O quinto será a conclusão, que farei retomando e afirmando o que havia dito na introdução. Esse técnica também pode ser adotada em caso de questão discursivas de concursos para 2ª fase de certame, ou nesses casos não ha necessidade de seguir uma quantidade, podendo eu passar ou mesmo resumir tudo em apenas um.

    Parabéns pelo site…

    • A estrutura que você resumiu está correta, Marcos! Introdução: tese + promessas; desenvolvimento: cumprir as promessas; conclusão: retomar o que foi dito no desenvolvimento e reafirmar sua tese.
      A questão do tamanho depende da quantidade de linhas… essa estrutura (de quantidade) que coloquei no post é para uma clássica de 30 linhas. Como eu falei, não importa tanto a forma, mas a quantidade realmente auxilia na hora do desenvolvimento do conteúdo do texto.
      Se sua dissertação for de mais de 30 linhas, faça algo proporcional. “Em média, eu gastaria 5 linhas para a introdução de um texto de 30 linhas. Quanto eu gastaria em um texto de 45 linhas? E em um texto de 20 linhas?”
      :)

  • Leonardo Andrade

    Parabéns pelo site.
    Fiquei sabendo dele através de um fórum esta semana e já li todos os posts. Estou gostando bastante.
    Larguei o emprego no começo do ano só pra dedicar aos concursos. Espero que a eu tenha tanto sucesso como você teve com suas dicas.

    Aguardando o próximo post.

    • Obrigada, Leonardo.
      Que bom que está gostando ;)
      Só uma curiosidade: em qual fórum você ouviu falar sobre o site? :D
      Abraços,
      Carol.

      • Leonardo Andrade

        Carol

        Vi no fórum do curso do inss da “a casa do concurseiro”.
        A menina tinha postado que estava seguindo algumas dicas do seu site.
        Resolvi verificar e gostei do que vi.

        Mas uma vez parabéns. Continue assim, ajudando as pessoas.
        Que Deus te ilumine.

  • Andria Cristina

    Gostaria te parabenizar pelo seu ótimo trabalho, você ajuda mesmo as pessoas, sou uma delas, estou motivada com suas postagens, parabens e obrigada!

  • Obrigada, Andria, seu comentário me deixa feliz :)

  • João Paulo

    Mais um ótimo post, aproveitando sua menção a mapas mentais gostaria de saber se tem algum(s) que você indica, de preferência com uma opção gratuita…rsrs

    • ahueuhuaehueah de graça e com qualidade só o Esquemaria uheuahehue.

      Mas falando sério… não gosto dos mapas mentais que fazer por aí! Aqueles com ramos, sabe, que nem os que eu uso pra fazer artigos… para estudar não são tão efetivos.

      Prefiro o estudo das fichas, como mapas mentais. Peguei a dica com o método do Alex Viegas (procura no Google: Alex Viegas fichas de estudos). O método consiste, basicamente, em cortar uma folha A4 no meio e fazer mapas mentais com o MÍNIMO de informações possível.

      É mto bom usar canetinha e lápis de cor, fazer com a própria letra… um bom jeito de estudar!

      Os modelos que fiz no post de licitação são um bom exemplo ;)

      Abraços e bons estudos,

      Carol :D

  • Marina Elvas

    Carol tu ganhou uma fã!

    a maneira clara como tu escreve, a organização do site, os mapas, as dicas, até a letra eu amei ;)

    • Marina, os mapas são meu xodó!
      hehehe.
      Obrigada pelo incentivo ;)
      Carol.

  • wagner

    Ótimas dicas….! Te encontrei por acaso no Facebook… Já sou seu fã. Parabéns!!

  • Priscila Oliveira

    Poxa Carol parabéns pelo site! Conteúdo de qualidade, de fácil entendimento. Estava aqui meio que desesperada, depois de alguns anos sem estudar, estou cursando Ead e me deparei com meu primeiro artigo, fiquei meio perdida foi quando pesquisando encontrei seu site, uma benção.

    • Obrigada, Priscila :D
      Eu prezo muito pela qualidade do conteúdo, pois sei que é difícil encontrar, na internet, algo assim.
      Volte sempre ;)

      Abraços,
      Carol.

  • Cleiton

    Realmente vc está de parabéns, pois disseminar conhecimento de maneira fácil é realmente algo que só um apaixonado pode fazer!!!
    Li sua breve jornada e mim senti motivado ainda mais a ir com com toda Força de Vontade e Dedicação em busca do meu nome no D.O.U o mais breve possível!!!
    Obg!!! Que Deus te abençoe e te dê ainda mais sabedoria!!!
    Att.: Cleiton Barbosa.

    • Obrigada, Cleiton :)
      Bons estudos! Quando seu nome estiver no D.O.U., não se esqueça de me mandar seu depoimento, para que a gente possa ajudar outras pessoas ;)

  • Francie

    Estou amando seu blog! Só para confirmar, as provas discursivas do TCU seguem aquele modelo de estrutura de tópicos, certo? E uma pergunta: a tal da peça técnica também pedida nas provas do TCU é como uma redação normal, com introdução, desenvolvimento e conclusão? Ou é mais como a estrutura de tópicos?
    Sucesso!

    • Sim, Francie! É só olhar: se houver tópicos, pode fazer igualzinho ao que eu digo ali. Não tem erro!
      A peça técnica também não precisava de introdução e conclusão, ok?!
      Abraços!

  • Jean Carlos Da Silva Macedo Ma

    Olá Carol, em primeiro lugar parabéns pelo site,vejo que algumas pessoas tem duvidas em relação a redação,modelo peça tecnica que é cobrado pelo CESPE,eu também tenho muitas dúvidas,será que voçê poderia posta a redação que vc fez no TCU aqui no esquemaria? vlw Carol bjs

    • Jean, inscreva-se no Esquemaria, porque em breve vou enviar a minha redação exclusivamente para quem é inscrito :)
      Percebi esta dificuldade e resolvi que vou compartilhar, ok?! Só estou arrumando a minha redação para enviar, porque eu preciso explicar cada decisão minha na hora de escrever (as erradas e as certas) haha. Um abraço!

  • Jean Carlos Da Silva Macedo Ma

    Eu já estou inscrito.

    • Massa, Jean! Agora é só esperar, porque o material tá ficando muito bom hehe (Carol modesta…)

  • Gledson

    Carol, Parabéns pelo site, gostei muto do seu depoimento (por ele me motivei mais ainda) ao cargo de técnico de controle externo (MA), já tenho um amigo que é Auditor lá e me motivou bastante. Valeu mesmo, continue enriquecendo seu site, estará nos fazendo um grande favor.

  • ezio

    Muito esclarecedor, mas me surgiu uma dúvida.Quando a Banca cita que tem que seguir necessariamente a ordem dos assuntos a serem abordados a introdução, o desenvolvimento e a conclusão são dispensadas é isso?
    Obrigado!!!
    “A fé na vitória tem que ser inabalável”

  • Isso mesmo! Não precisa introduzir, nem concluir. É só desenvolver cada tema, na ordem que a banca pedir.
    Abraços ;)
    Carol.

  • Luana

    Oi Carol. Parabéns pela idéia fantástica para ajudar a quem precisa. Muitos nem pensam nisso quando já estão com o seu seguro.
    Bom meu sonho é o TCU, pois meu avô era servidor de lá e eu falava quando criança iria trabalhar lá um dia, pois passei bons momentos da infância no Tribunal. comecei a prestar serviço na CAIXA e com o passar dos anos, acabei fazendo concurso da CAIXA e este ano, estou lá. Empregada pública. Mas ai o meu sonho veio a tona, vou estudar para o TCU. Mas sempre fica aquela dúvida: será que o tcu é bom lugar para trabalhar? pois não quero outro lugar a não ser a CAIXA e o TCU. O dinheiro não importa somente, mas é necessário saber se o lugar onde sonho trabalhar é um bom lugar realmente, se existe um bom clima organizacional.
    Vi o seu vídeo e pude entender varias coisa sobre o órgão. Mas o clima é bom para trabalhar?
    Outra coisa que gostaria de saber, você acha o método de resumir matériaem bom?
    Moro em taguá e agradeço mais uma vez suas dicas.
    Sucesso, e quanto eu puder divulgar seu site, com certeza o farei, porque é sencacionalllllll.

    • Oi, Luana!
      Você falou tudo: o lugar tem que valer a pena. Já pensou você estudar, estudar e acabar em um órgão onde você não seria feliz?
      O clima organizacional no TCU é excelente. Até o contato entre técnicos e auditores, que às vezes é questionado aqui no Esquemaria, por alunos, é fantástico. Não existe preconceito nem nada disso, até porque o concurso de técnico é mais concorrido do que o de auditor (apesar de o de auditor vir com muito mais matérias, é claro).
      Já morei em taguá, também! A cidade REALMENTE cidade, do DF hehehe. Hj, estou no guará, a 15 minutos do TCU ;)
      E parabéns pela aprovação na Caixa, que bom que trabalhar lá te faz feliz!
      Quanto ao método de fazer resumos, eu não sou muito chegada. Acabei de responder a um comentário, aqui, sobre as fichas de estudos, do Alex Viegas, e lá sim está o cerne dos meus estudos: mapas mentais em formas de fichas. É do mesmo jeito que faço os mapas aqui, no Esquemaria.
      Eu não faço mapa mental de tudo, mas só do que realmente acredito que valha o esforço. Assim, meus estudos ficam mais rápidos :)
      Abraços e bons estudos! ;)

  • Jango

    Carol eu ja me cadastrei e gostaria Demais de receber o material com a redação comentada que voce tava preparando afinal o concurso do TCU ta quase aí…
    Agradeço muito desde já!

    • Valeu, Jango!
      Você já se cadastrou na aula ao vivo de segunda que vem?
      Abraços! Espero te ver por lá :)

  • Jango

    foi mal Carol acabei comentando varias vezes a mesma coisa
    é a ansiedade…

  • Bruno Marques

    Oii Carol tudo bem estou com uma dúvida estava analisando o edital do último concurso do TCU e vi que em 2012 aparece no edital assim 1 peça de natureza técnica, essa peça e uma Dissertação de conhecimentos específicos é a mesma coisa ?? nos concursos do ICMBIO e MTE desse ano eu vi que as dissertações cobradas pelo Cespe foram temas específicos muito parecidas com a prova que vc fez me desculpe é que eu só faços redações com temas gerais não estou tão acostumado com esse tipo de redação é porque eu estudo mais para a área de tribunais e a banca que pega essa área 90% é a FCC e essa banca só cobra temas gerais para técnico eu já fiz o curso de redação com a professora Junia Andrade mas no caso o curso ensinava a elaborar uma boa redação com temas gerais eu não tenho nenhum problema em criar uma redação só tenho que ficar antenado com Atualidades e com o que a FCC gosta de cobrar agora essa tendência que o Cespe vem trazendo é novo pra mim nossa estou sendo chato e inconveniente com tantas perguntas né rs é que eu me espelho em pessoas de sucesso e vc é uma delas, pessoas vencedoras são um exemplo pra mim é o que eu penso em alcançar algum dia quem sabe hehe tudo de bom pra vc se cuida felicidades.

    • Tá fazendo muito bem! O certo é aprender com quem já conseguiu passar.
      Eu já preparei um material em PDF, e vou lançá-lo aqui no site semana que vem. Fique antenado!
      Aliás, na segunda, vou fazer uma aula sobre discursivas. Espero que você esteja lá (mandei o convite para quem é inscrito no site).
      Abraços,

      Carol.

      • Bruno Marques

        valeu obrigado pela atenção eu já me inscrevi sim eu curto muito os eventos pela web Cers, Alfacon, Concurso Virtual, Professor Deivid Xavier entre outros cursos eu assisto eles ao vivo e também no youtube e agora o seu né rsrs eles são muito importantes eu vou aproveitar o seu evento ao máximo porque discursivas do Cespe eliminam muita gente e eu não estou muito acostumado com esse tipo de Dissertação então até lá abraço !!

      • Frantchesco Concursado

        ola carol! baum? me escrevi hoje no blog! vou receber essa aula de discursiva e os pdfs pelo email? meu email: tavaresbc88@gmail.com

        flw”

        • Oi, Frantchesco!

          Ontem eu enviei a aula, sim! Só lembrando: ela fica no ar só até a meia-noite de hoje!

          O eBook chega amanhã de manhã :D

          Abraços!

  • Rose Amaral

    Olá, Carol ! Em busca de materiais e assuntos diversos na net, acabei ‘topando’com seu site. Muito bom e bem explicativo. Comecei o ano passado a me preparar para o TCU, mas ainda não peguei ‘firme’ como deveria…muitas dispersões, idas e vindas e tal…Bom, como ainda estou nas matérias básicas, gostaria de uma dica sobre os livros e apostilas ou cursos pdf que você utilizou, principalmente material de Língua Portuguesa. Gostaria de encontrar um bom livro somente de questões com comentários para este concurso ( acredito banca CESPE). Você pode me ajudar ? Agradeço muito. Abraço.

  • Bruno Marques

    Depois de 3 horas assistindo só digo uma coisa “VALEU A PENA “Parabéns pela aula assisti até o final apesar dos problemas técnicos, que acontecem em todo lugar, agora entendi a dúvida que tinha foi muito prática a sua aula 100% show sorte de quem viu porque as discursivas do Cespe eliminam nas notas finais o negócio é treinar pesado obrigado pela sua simpatia e atenção de atender a todos com maestria se cuida tudo de bom pra ti felicidades !!

    • Obrigada, Bruno!
      Ufa! Muito bom saber que eu pude te ajudar ;)
      Vamos nos falando, não some, não!

      • Bruno Marques

        Oii Carol então aquele aulão de ontem serviu de lição de como se deve fazer uma discursiva quando eu fiz a prova do ICMBIO no começo do ano eu tomei um susto quando vi nunca tinha feito redação daquele jeito realmente igualzinho a prova do TCU mas a culpa foi que não vi o edital direito e pensei que a redação seria algum tema qualquer como a FCC cobra pra vc ver o nível técnico dessa prova do TCU que vc fez 1 peça e 2 discursivas de 10 linhas cheia de critérios que o nível de dificuldade vem cá vc já fez simulados quando fez a prova do TCU?? outra coisa que eu queria te perguntar as apostilas da Vestcon vc já usou sabe me dizer se elas ainda são as melhores ?? Eu salvei a aula aqui no meu pc rsrsrs desculpe mas eu pretendo vê-la de novo eu baixei nesse site http://www.savevid.com/ baixa qualquer video do youtube eu gosto de ver os videos mais de 1 vez hehehe Brasilia é a capital dos concursos né Carol segundo minha fontes em 2015 ai terá Senado Federal, Câmara dos Deputados e Assembléia Legislativa que está cheia de vagas né rsrs entre outros só concurso foda rsrsrs se cuida e felicidades !!!

        • Hum, exato! Ler o edital é essencial (a parte que interessa, é claro, porque pra que você vai ler sobre recursos, por exemplo, antes de fazer a prova, né?).
          Sim, fiz um simulado que surgiu, à época da minha prova. Simulados são bons para você verificar como você está em determinados assuntos. O ranking do simulado, por exemplo, não interessa. O que importa mesmo é verificar suas fraquezas e trabalhar nelas!
          Já tive algumas apostilas da Vestcon e de outros lugares… tem que tomar cuidado com o gabarito. Para apostilas, são boas. Só que eu prefiro aulas em PDF, questões comentadas e livros ;)
          Sim, BSB vem com tudo! hahaha
          Abraços!

          • Bruno Marques

            Obrigado pelas respostas e pelo carinho carolzinha rsrsrs então eu tenho muitos materiais sabe se vc futuramente precisar de alguma coisa para algum outro concurso é só avisar que te passo o email e a senha da minha nuvem pra vc mexer tem de tudo lá rsrsr apesar de tanta coisa estou saturado de video aula estou ficando mais tempo no QConcursos fazendo questões sabe Carol curto muitos seus pdfs e esquemas acho que vc faz tudo com tanto amor e simplicidade aquela aula de discursiva foi o máximo parabéns por direcionar tanta gente que está começando eu ja coloquei algum tempo que Concurso Público faz parte da minha vida vou prestar concursos até o fim mesmo pois hoje eu vejo que Concurso é o melhor caminho e sempre será bom é isso beijosss e se cuida !!

          • Obrigada, Bruno! Tô adorando seus comentários aqui! Continue voltando, ok?!
            :)
            Abraços!

          • Bruno Marques

            eu que lhe agradeço pela atenção dada com todos aqui são milhares de elogiso pra vc não dá pra escrever beijoss e como vc diz rsrs boa sorte e boa vida !

  • Bruno Marques

    Eu estava vendo o primeiro capítulo do eBook que vc me mandou por email hoje bem profissional Carol parabéns daqui uns dias o Estratégia e o Ponto vão te convidar para ser Diagramadora lá rsrsrs eu achei bem interessante essa fórmula de como responder uma discursiva sem saber a resposta essas questões discursivas de até 10 linhas estavam cabulosas mas eu ja estou começando a ver uma luz no fim do túnel com sua táticas rsrsr que Deus te abençoe Carol abraço !!

    • hehe!
      Só tome cuidado: esta é uma tática, mas o ideal é saber o tema, ok?! Abraços!

      • Bruno Marques

        é verdade obrigado pela dica valeu !!

  • Olá Carol, segue retorno quanto ao seu pedido de comentar sobre o que achamos do 1º capítulo do seu “e-book”.
    Sou suspeito para comentar. Estou gostando muito do jeito SIMPLES – conforme você comenta no 3º parágrafo da introdução -, direto e bem didático com que está expondo suas aulas, quer seja em vídeo ou escrito.
    Parece que estou “puxando saco” rsrsrs – desculpe a expressão feia. Mas o fato é que muitas vezes renomados docentes criam um ar de pânico em vez de expor a verdade das coisas; é possível com “SIMPLICIDADE” sanar as dificuldades encontradas nas várias áreas das provas de concursos.
    Mais uma vez muito obrigado pelo investimento realizado em cada um de nós.
    Um abraço, Cabral.

    • Obrigada, Cabral!
      Quando eu vejo pessoas conhecidas, aqui, fico muito feliz! Que bom que você tem voltado :)
      Exatamente. Para concurso, tem que ser direto ao ponto! Perder tempo é besteira.
      Abraços! Volte de novo ;)

  • Bruno Marques

    Carol aquele aulão Como Arrebentar nas Discursivas do Cespe que está no youtube estava vendo aqui ele tem quase 3.000 acessos em uma semana que massa assim muita gente nova que não conhecia começou a curtir o seu trabalho o youtube é uma ótima ferramenta de divulgação né a maioria dos grandes cursos online fazem propaganda nele eu lembro que em 2000 se não era presencial era fita VHS “compre seu curso apostilado com duas fitas VHS” KKKKKKKKKKKKKK meu irmão sofreu muito para passar em concurso naquela época kkkkkkkk ainda bem que acabou pois é viva a era da internet hehehehe.

    • Internet é a melhor ferramenta de estudos que existe ;)
      Realmente ajuda muito!

  • Josiane

    Carol, bom dia. E o E-Book? he he he…esperando…;)

  • Josiane

    Sobre o primeiro capítulo, só posso dizer que está 10!!! Muito bom. Mas já dava pra ter uma ideia de que seu material seria bom pelo que vc já disponibilizou…Com sua aula e esse material, acho que nem vai precisar fazer o curso da Júnia Andrade (brincadeirinha). Poxa, Carol, mas verdade mesmo. Eu estava um pouco (modesta) desorientada com a discursiva. Não sabia nem por onde começar, ainda mais que é muito específico e a gente tem que ter uma boa base. Nem acreditei quando na sua vídeo-aula, vc falou que dava pra tirar uma nota média sem saber o tema. Demais!!! Valeu, vc abriu minha mente. Obrigada

    • Sim! O ideal é saber o tema, mas não me vá desistir só por não saber! :)

  • Mariana Akane

    Muito legal, parabéns!

  • Eduardo

    Ola Carol, seu site é muito bom. Me faz aprender muito. Além do mais é motivador. Gostaria de fazer um pedido a voce. Da pra disponibilizar as “4 dicas para garantir excelentes notas em redação” em PDF. O material é bom. Gostaria de o ter disponível para ler em qualquer lugar.

  • Obrigada, Mari :)

  • Oi, Eduardo! Hoje eu não posso fazer isso, mas futuramente, se eu fizer, eu te mando um email, combinado? :)

  • Junior Rodrigues

    Gostei muito das dicas. Vou ultiliza-las para fazer a redação do Enem. Acredito que serão muito proveitosas, hehe.

  • Valeu, Junior! Hehehe… essas dicas valem para todas as bancas, acredito que para o ENEM também, mas estou bem por fora deste exame, então é bom dar uma olhada no que professores da área dizem :)

  • O Santana

    Carol,

    Tenho uma prova do TJ/BA em Janeiro. O texto cobrado será Dissertativo-argumentativo.
    Você acha que devo ir treinando ou não adianta muito?

  • Mônica

    Olá Carol, tudo bem? Tenho acompanhado suas postagens e vim agradecer por cada uma delas.
    Aguardo o PDF para o ”Mini-curso” de AFO. Gostei muito do vídeo de apresentação. Parabéns!!

  • Tatiana Bacellar

    Carol, parabéns pelos textos, são objetivos e esclarecedores.Não consegui baixar os e-book´s ;( . Gostaria muito de tê-los. abraços

  • Opa… tô atrasada! A resposta seria SIM!

  • Obrigada, Mônica! E desculpe a demora para responder… infelizmente, deixei de lado o curso de AFO, senão eu não conseguiria manter o site no ar… bjs!

  • Você diz o eBook de redações do Cespe? O link estava quebrado! Acabei de arrumar… vá lá dar uma olhada: http://esquemaria.com.br/25/08/2014/ebook-discursivas-cespe/

  • Wanessa geovanna

    oi Carol, estou adorando suas dicas, realmente valem ouro, estão me dando uma ótima orientação!! Carol, estou procurando loucamente uma de suas postagens em que você fala sobre redações, e como faze-las sem saber o tema. Vi que a Josiane comentou sobre isso, mas não encontrei aqui, será que você poderia me enviar?!

  • Parabéns pelo artigo e pelo blog Carol, ta show de bola mesmo!

  • carla carolina

    Ótimas dicas! Eu estou me preparando para vários concursos públicos e meu ponto fraco é a redação. Me indicaram este curso online de redação para concursos http://www.aprendum.com.br/curso-online-redacao-para-concursos/ fiz e adorei! Deixo como dica para quem também quer se preparar para a prova de redação dos concursos públicos. Abs

  • Hehe, é, o post é antigo, mas a relevância é a mesma ;)
    Obrigada!
    Abraços ;)

  • Oi, Camila! No estudo de caso, você deve retomar toda a historinha na hora de responder à sua discursiva. Para esses casos especiais, é melhor pesquisar melhor e fazer um curso (se for um curso em PDF, melhor ainda). De toda forma, você verá que é super tranquilo fazer um estudo de caso! :D

  • Walterlym Siqueira

    Ótimo, como tudo que já li aqui!!!!! Parabéns!!! Ia lhe perguntar sobre a letra( fôrma ou cursiva) que bom que você já comentou…

  • Oi, Alessandro!
    No início, se você realmente tiver dificuldades, faça diariamente. Depois, você pega o jeito da coisa e faz de tempos em tempos.
    :)
    Abraços!

  • Olá, Kátia! Caso sua dificuldade seja alta, procure um professor da matéria. Abraços!

  • Oi, Kátia! Basicamente, você dirá ao examinador sobre o que você vai falar ;)

    Quanto às discursivas, você pode pedir para a minha equipe? suporte@esquemaria.com.br

    Abraços!

  • De modo algum!
    Abraços ;)

  • nilson carvalho

    maravilha de conteúdo carol, a sua metodologia de explicação é impressionante, bem simples e didática de fácil compreensão. é um privilégio participar dos conhecimentos muito obrigado!!!

  • “Fazer o texto diretamente na folha definitiva é como dar um tiro no próprio pé”

    Diria mais. Diria que é dar um tiro de bazuca no próprio pé.

  • Felipe Campos

    Show!! Te vejo no Senado 2017, gata! ;**

  • Oi, Ricardo!
    Eu gosto muito do Uol vestibular para estudar atualidades: http://vestibular.brasilescola.uol.com.br/atualidades/
    Além disso, eu leria pelo menos um livro de atualidades.
    :)
    Abraços!

  • Oi, Pollyana! Sim, era um webinar fechado :O
    Abraços :D

  • Ou seja, era um webinar somente para quem visse ao vivo

  • Oi, Clarice!
    Não tenho, mas indico os cursos de discursivas do Ponto ou Estratégia. Eles ensinam como fazer!

  • Obrigada, Victor!
    Eu não posso analisar, mas faça várias e mande para outros concurseiros :)

  • Victor H. Dallarme

    Tudo bem, eu te entendo, mas você pode me dá dicas de tema
    que vão cair? estou me preparando para concurso de bancos.

    • Vixe, V, pode ser qualquer coisa. O melhor jeito de não se perder na hora do tema é se preparar a partir de o que o edital diz. Pegue o último edital feito para o banco que você quer e leia a parte de discursivas! :)

  • Olá, Angel! :)
    Sim, sim ;)

  • Obrigada :)

  • Júnia Andrade, no Ponto ;)

  • Que massa, Gabriel!

  • Gracias :)

  • Anderson Nunes

    Hey, Antônio! Nós que agradecemos a sua presença! =D

  • Que legal, Ferreira! Espero que sua jornada como concurseiro tenha um ponto final bacana :)
    Um abraço!

  • Sim sim, Renan! =D

  • Olá, David.

    Dica de artigo anotada, David.

    Agora, sobre a sua dúvida, o mapa mental vai ser apenas o esqueleto da sua redação. Então, se você tiver tempo sobrando, faça uma redação no rascunho. Se o tempo estiver escasso, não precisa fazer redação no rascunho.

    Abraços!

  • Hey, Ranes!

    Obrigada! :) É ótimo saber que posso ajudar.

    Abraços!

  • Olá, Gilvane!

    No eBook “O Guia Simples e Prático para Aprender a Fazer Discursivas no Cespe de Uma Vez por Todas” eu disponibilizo alguns exemplos de redações . Você pode baixá-lo gratuitamente aqui no Esquemaria. Esses exemplos seguem as dicas que eu dou aqui neste artigo. ;)

    Abraços!

  • Olá, Erika!

    Especificamente, essas quatro dicas servem para qualquer banca. Elas são bem abrangentes e englobam até a banca da Marinha. ;)

    Agora, como não tenho muitas informações sobre concursos da área militar, vou ficar te devendo uma peculiaridade sobre a banca da Marinha.

    Abraços!

  • Olá, Fabrício!

    Obrigada pelos elogios! =D

    Eu não faço correção de redações. A verdade é que existem muitos professores melhores que eu em discursivas! Eu contribuí com dois artigos sobre o tema aqui Esq, mas há outras pessoas que podem te ajudar bastante. Se você quiser uma indicação, sugiro dar uma olhada nos cursos da Prof. Júnia Andrade! Foi o curso dela que fiz na época do TCU (o com opção de correção) ;)

    Abraços!

  • Por nada, Fabrício!

    Abraços! ;)