COMO ESTUDAR PORTUGUÊS e não morrer tentando: o único passo a passo REALMENTE completo que você vai encontrar na Internet

Por Carol Alvarenga

Vamos falar a verdade: língua portuguesa é um assunto usado em tudo quanto é canto (provas, escrita, comunicação), mas é, também, um conteúdo que muitas vezes a gente não dedica tempo ou paciência para entender profundamente.

Além de raramente ter a paciência ou o tempo necessário para estudar este assunto, sempre existe um fodão usando a língua portuguesa muito melhor do que você tem feito, e sendo superior a você em todos os quesitos da língua formal.

Aqui está como você pode ARRANCAR isso dele e entender de vez como estudar português (neste artigo, trataremos de cada um destes pontos):

  1. lendo esse artigo até o final, e com calma (é claro);
  2. selecionando o professor certo e o livro certo para te apoiarem na jornada dos estudos de português;
  3. eliminando o monstro da gramática;
  4. fazendo um teste para saber qual é seu nível de português;
  5. solucionando todos os maiores problemas com a ortografia;
  6. quebrando aqueles erros mais comuns que as pessoas, de forma geral, cometem;
  7. descobrindo na PRÁTICA, com exercícios, como ser incrível em português;
  8. esmagando com suas mãos a cruel interpretação de textos;
  9. usando as ferramentas secretas que a Internet tem para te oferecer (esta dica é realmente muito foda… a minha pesquisa aqui foi sinistra!).

É importante entender que não vou tratar, neste artigo, da língua informal. O objetivo aqui é que você possa utilizar a língua portuguesa em sua forma culta da maneira correta, porque isso poderá servir ao seu propósito de ter uma boa escrita, acertar questões objetivas ou interpretar textos. Se eu fosse tratar de preconceito linguístico, viajaria muito na batatinha, então foquemos a língua portuguesa conforme suas regras.

Organizo este artigo em três etapas: paciência, regras e escrita. Você pode clicar nos links abaixo para ir direto ao assunto que mais te interessa, ou pode ler o artigo por inteiro (a escolha é sua).

 

Índice de como estudar português

  • Descobrindo como ter mais paciência com a língua portuguesa
    • Faça o seu teste de nível na língua portuguesa
    • Compreenda o pensamento rápido e o pensamento devagar na língua portuguesa
    • Use a criatividade para estudar português
  • Sabendo as regras para provas e concursos públicos que cobram português
    • Fique bom em gramática, de um jeito inteligente
    • Interprete textos corretamente
    • Conheça as bancas de concursos públicos, caso você tenha que fazer provas
  • Escrevendo melhor (discursivas, redações, livros, artigos)
    • Desenvolva redações periodicamente
    • Conheça os principais erros que as pessoas cometem
    • Entenda como ter ideias para desenvolver seus textos 

 

PARTE 1 – Como ter mais paciência com a língua portuguesa

Parte 1

 

Testando seu nível de português

Para saber se deve começar do zero, se deve procurar um professor ou se deve comprar uma gramática.

 

Onde você encontrará cursos e professores de português que valham a pena

Eu indico professores de concursos públicos mesmo para os casos de pessoas que não precisam passar em provas. Se você quer realmente ficar craque em língua portuguesa, esses professores são os que têm a didática gostosa necessária para isso, e são opções realmente incríveis.

Falo de didática gostosa, porque ela pode ser a diferença entre aprender ou não. Recentemente, assisti a um filme antigo de comédia dramática chamado O Espelho Tem Duas Faces. Nele, a professora de literatura americana interpretada por Barbra Streisand dá um espetáculo de didática e storytelling para manter os alunos em sala. É assim que vejo os professores de concursos: com histórias e aulas dinâmicas, eles realmente nos ajudam a entender o conteúdo, sem que o assunto fique chato.

A ideia, portanto, é te mostrar professores de português que entendem muito da matéria e, ao mesmo tempo, não sejam daquele tipo de professor que não acrescentava nada em seu ensino médio (acho que todo mundo já teve algum professor assim, certo?).

Você não vai precisar mais desse tipo de professor.

A lista de professores a seguir foi muito bem pensada. É claro que são todos professores afiliados, e são todos escolhidos a dedo. Falarei de um por um, logo após a lista.

Lista dos melhores professores de língua portuguesa, de acordo com o Esquemaria (afiliados incríveis):

  1. Flávia Rita
  2. Fernando Pestana
  3. Elias Santana
  4. Marcelo Rosenthal
  5. Claiton Natal

Vou tratar de cada um desses professores. Vamos lá?

 

Flávia Rita

É dona o curso de português que mais cresceu na Internet. A Flávia começou só com a Língua Portuguesa e acabou criando o próprio cursinho online com outras matérias também. No final das contas, o carro chefe da professora é mesmo o português.

Muitos alunos meus do Ritmo de Estudos fizeram o curso da Flávia e adoraram. Eles o fizeram, porque eu indiquei e, na época em que indiquei, a Flávia ainda NEM ERA afiliada do Esquemaria. Hoje, ela é afiliada, e eu continuo indicando, afinal, muitos de meus alunos gostaram bastante dos resultados que tiveram.

 

Fernando Pestana

Fernando Pestana é o senhor da gramática mais foda de todos os tempos. Se não é a mais foda para alguns, é a mais simples e completa (o que para mim significa ser foda mesmo). A gramática do Pestana é conhecidíssima, e é uma verdadeira bíblia de assuntos que deveriam ser chatos, mas são transformados em algo legal pelo professor. O Pestana tem essa gramática e também dá aula.

Para facilitar sua vida, aqui está a Gramática do Pestana na maior livraria do mundo:

> Clique aqui para ver a gramática do Pestana

 

Elias Santana

Conheci o Elias em um café em Brasília, e ele é um fofo. Além de dar aulas simplificando a língua portuguesa, ele canta! Haha!

Sei que muita gente deve pensar: que droga esse negócio de cantar no meio do curso. Cara, ele não canta no meio do curso, ele canta para espantar os males, e isso funciona contra a depressão e a ansiedade, dois inimigos comuns da aprendizagem.

Você pode conhecer os cursos do Elias por este link.

 

Marcelo Rosenthal

O Marcelo é famoso para caramba. Deu aula em cursinho presencial por muitos anos e hoje está no online (como muitos professores fizeram). O Marcelo já aprovou, literalmente, milhares de pessoas em concursos públicos. Volta e meia, ele abre algumas semanas de aprendizagem gratuita de português, que acabam ajudando uma galera iniciante no estudo da língua portuguesa.

Além disso, o Rosenthal tem sua própria gramática escrita, o que aqui significa que ele sabe para caramba de português.

De todos, é o curso que considero mais completo, mas nem sempre está disponível para vender.

 

Claiton Natal

Foi meu professor na época em que eu estudava para concursos.

É um cara super engraçado, que tem anos e anos de experiência, tem uma mania que eu acho massa: pergunta “é ou não é?”, e, falando sério, nós, reles mortais e alunos, sempre caímos em seu “é”, quando, na verdade, não é.

O Claiton também é professor no Gran.

 

PARTE 2 – Conhecendo como as provas e os concursos públicos cobram português

#

O que é o que é

Essa parte do texto é muito legal: você vai descobrir alguns dos significados dentro do estudo da língua portuguesa.

 

O que é morfologia na prática

A morfologia estuda as palavras soltas, sem se preocupar com o significado dessas palavras.

O bom da morfologia é que ela ajuda a identificar os elementos de análise sintática. Quando você descobre, por exemplo, que todo advérbio é invariável, você já não achará estranho encontrar a palavra “bastantes” em um texto. Isso você alcança com um bom nível de de português.

As classes morfológicas são: adjetivo; advérbio; artigo; conjunção numeral; interjeição; preposição; pronome; substantivo; e verbo.

 

O que é sintaxe na prática

A sintaxe dará os sentidos das palavras no contexto. De acordo com a sintaxe utilizada, é possível combinar diferentes frases para que o significado de um determinado texto seja diferente, dependendo sempre do contexto.

 

O que é gramática

A gramática é feita de regras expostas por pessoas que entendem para carai de língua portuguesa. Isso significa que se você ainda não atingiu um nível fodão em português, você ainda não pode sair por aí escrevendo gramáticas!

Evanildo Bechara é o cara de maior expressão na língua portuguesa moderna, quando o assunto é gramática. Em comparação com as ciências, é como se ele fosse o Isaac Newton ou o Albert Einstein do português. Ele cria teorias e estuda profundamente sua arte.

Só que ele não é minha indicação principal como gramático didático para provas. Nem para a escrita. Se você não pretende escrever o novo Dom Casmurro, se sua escrita é simples, também não precisa ir de Bechara para se dar bem com os textos. Até porque o cara pode ser um gênio, mas outros gênios menos conhecidos conseguem traduzir melhor os pensamentos do Bechara em gramáticas mais simples, como é o caso do Pestana, autor que citei mais acima.

Outros gramáticos doutrinadores que você não precisa seguir (embora sejam incríveis do ponto de vista acadêmico):

  • Domingos Paschoal Cegalla
  • Napoleão Mendes de Almeida
  • Celso Ferreira da Cunha

Não precisa ir com nenhum desses caras. Seja simples nos estudos, e seja simples até ao escolher seu arsenal.

 

Primeiro passo para aprender português mais rápido a partir de A-GO-RA

Eu não tenho dúvida alguma de que aprender português depende de um tipo específico de força de vontade que muita gente não tem: a curiosidade.

Não sabe se o certo é “sessão” ou “seção” em determinado contexto? Pesquise por alguns segundos no Google e encontre a resposta. Não tem certeza sobre uma vírgula após um determinado termo? Mais alguns segundos e o Google também te responde.

No lugar de permitir que o erro passe em branco, utilize a curiosidade para tratar do português. É como conferir no trabalho se alguns dos dados entregues estão certos.

A curiosidade pode te ajudar a melhorar seu nível de português a partir de AGORA – entenda o porquê

Falarei rapidamente de uma teoria econômica que o psicólogo Daniel Kahneman, Nobel da Economia, deu de presente à humanidade: a teoria do pensamento rápido e do pensamento devagar.

O pensamento rápido é feito de respostas automáticas a problemas. Essas respostas estarão certas em determinados casos e erradas em outros. Vamos a um exemplo: um taco de beisebol e uma bola custam $ 1,10 no total. O taco custa $ 1,00 a mais do que a bola. Então, quanto custa a bola?

A maioria das pessoas responde intuitivamente que a bola custa $ 0,10. Este é o pensamento rápido agindo: confiamos tanto nele, que não nos damos ao trabalho de raciocinar. A verdade é que se a bola custa $ 0,10, o taco custa $ 1,10 (ou seja, $ 1,00 a mais do que a bola).

Entretanto, a soma dos dois é de $ 1,10, e o taco vale $ 1,00 a mais, portanto, o taco sozinho não pode custar $ 1,10.

Essa pesquisa foi feita com alunos de Harvard, que responderam, em sua maioria, que a bola custava $ 0,10 – ou seja, mesmo que a pesquisa tenha sido feita com pessoas de QI elevadíssimo, o pensamento rápido ganhou disparado, só porque o pensamento devagar não foi acionado.

Relação do pensamento rápido e devagar com a língua portuguesa

O pensamento rápido, na língua portuguesa, sugere o seguinte:

  • quando tratamos do português, nos utilizamos de ações involuntárias: se parece certo, não procuramos tirar nossa dúvida, mesmo que haja a dúvida;
  • buscamos o mínimo de esforço, portanto, ao tratar do português, não queremos nos dar ao trabalho.

Já as operações do nosso pensamento devagar têm as seguintes características, em nossa língua:

  • entregamos atenção;
  • verificamos a validade dos argumentos.

Se, no momento em que surgir uma dúvida, você utilizar o pensamento rápido, (…)

Muita gente diria que o pensamento devagar.

Se eu usasse somente o pensamento rápido para tratar a língua portuguesa, ainda não saberia quando escrever “divagar” ou “devagar”.

 

Português em provas de concursos públicos

Aqui, entra aquela velha história! Quem cobra mais, quem cobra menos, O QUE cobram mais, o que menos cobram, e assim adiante.

Fato é que, quando português cai em concursos públicos, ela é a matéria com maior quantidade de ITENS em uma prova. É muito raro português ficar em segundo ou em terceiro lugar, então você não pode brincar de cirandinha com essa matéria.

O que MAIS cai em português para concursos

Acentuação gráfica, pronomes relativos, concordância verbal e nominal e uso da vírgula. ESSES são os assuntos de GRAMÁTICA que mais caem em provas de concursos públicos.

E aí eu te pergunto: você vai tirar um NOTÃO em português estudando só essa parte da matéria?

NÃO. MES. MO.

Todos esses assuntos precisam de conhecimentos prévios de gramática para serem entendidos, então não faz sentido você estudar SÓ O QUE MAIS CAI.

Sim. Eu sei que SABICHÃO disse que você vai superar todas as suas dificuldades em português somente “focando o que mais cai”.

Então eu trouxe aqui o meu repelente de Sabichão (tssssssssssss).

Porque, em português, TAMBÉM é importante saber o que ME-NOS cai.

O que MENOS cai em português para concursos

Assim que eu comecei a estudar para concursos públicos, eu entrei em um cursinho super bom, dos melhores em Brasília, e na primeira aula a minha professora (que era ÓTIMA em didática de português) me ensinou os seguintes assuntos:
  1. Noções de fonética
  2. Fonemas e letras
  3. Divisão silábica
  4. Encontros vocálicos (ditongo, tritongo e hiato)
  5. Encontros consonantais
  6. Sílabas
  7. Parônimos e homônimos

Fazendo um filtro das questões desses assuntos TODOS que eu aprendi na minha primeira aula, anos atrás, eu encontro, hoje, exatas 22 questões do Cespe sobre esses assuntos.

Sim: somando TUDO, são 22 questões do Cespe sobre tudo aquilo que a minha professora passou durante a aula.

Sabe qual é o TOTAL de questões do Cespe de português, considerando essas mesmas provas em que eu pesquisei?

11.244 questões.

Você leu certo. De 11.244 questões, somente 22 questõezinhas eram de noções de fonética, fonemas e letras, divisão silábica e tudo aquilo que eu aprendi naquela aula.

Isso significa que as chances de aquele assunto cair em minha prova eram de MENOS de 0,2%.

O maior problema que eu vejo aqui não é só o fato de a minha professora ter ensinado aquele conteúdo durante a aula.

O maior problema é que eu saí daquela aula disposta a fazer o que os concurseiros aprovados fazem: revisar a matéria, entender sozinha, estudar em casa, ler teoria e fazer mais questões.

Ou seja: eu estava dando MUITA IMPORTÂNCIA a um assunto cujas chances de cair na minha prova eram de MENOS de 0,2%.

Isso significa que eu estava DIVIDINDO a minha atenção, a minha memória e o meu TEMPO precioso de um jeito errado. Seria muito mais inteligente da minha parte ter feito uma pesquisa rápida e ter entendido que aquele conteúdo NÃO merecia aquela atenção toda.

Então, uma vez que você tenha entendido que você tem que saber o que MAIS cai, mas tem que saber principalmente o que menos cai, e isso já vai te fazer ganhar um tempãozão da peste, sem precisar até estudar alguns assuntos chatos pra caramba, como é o caso de “Noções de fonética”, a próxima coisa a fazer é fazer isso COM A BANCA do seu foco final.

Média de questões de língua portuguesa por banca de concursos públicos

Veja bem, eu dei o exemplo aqui com provas do Cespe. Por quê? Porque Cespe era a banca principal para a área administrativa de concursos de alto nível, que era a área em que eu focava.

Você vai pegar pra sua banca, porque pode ser que a sua banca ADORA FONEMAS!

Vá saber! Cada banca com sua loucura.

A FGV, por exemplo, ama uma gramática muito doida, mas sempre cobra essa gramática muito doida do MESMO JEITO, então não dá para sair estudando português no Cespe comparando com o da FGV.

Agora, essa questão da banca é incrível, porque tem muita banca desconhecida nesse Brasil. Nesse caso, eu separaria entre bancas maiores e menores. Por exemplo: FCC tem muita questão de português, mas a banca NOVA ERA FM MUDA BRASIL do cafundó dos judas tem poucas provas antigas… nesse caso, é melhor pegar pelo estilo da banca: se ela cobra múltipla escolha, como é o caso de quase todas as bancas no Brasil, tirando o Cespe, faça questões de múltipla escolha de outras bancas. Se ela é no estilo Certo/Errado, como é o caso do Cespe, daí você vai lá e faz a seleção do conteúdo mais importante com base no Cespe.

Não é de hoje que falam para você focar na banca, né? Só que até agora você não entendia por quê! Agora você entende: a banca seleciona os conteúdos com um estilo PRÓPRIO de ser.

Então ter essa noção é muito importante, lembre-se:

É melhor fazer uma rápida pesquisa e descobrir quais conteúdos são mais preciosos para aquela banca, porque daí você vai saber para qual conteúdo dar menos atenção.

É aquela velha história: é melhor passar 2 horas selecionando o que você NÃO PRECISA dar tanta importância a ter que passar 2 dias estudando o que não é importante e entupindo a sua memória com informação irrelevante para a sua prova.

E nós já passamos pelas partes iniciais do português: o que mais cai, o que menos cai, descobrir a banca, e, agora…

…vou dar algumas dicas de provas mesmo pra você entender como aplicar tudo isso.

O básico para você se dar bem em português de acordo com as principais bancas de concursos públicos

Cespe

FCC

Cesgranrio

FGV

Vunesp

ESAF – saiu da jogada

PARTE 3 – Escrevendo melhor

Parte 3

 

Ferramentas secretas gratuitas de língua portuguesa que a Internet tem para te oferecer

Uma ferramenta top de conjugação verbal

Essa aqui é para quem acha que conjugar verbo significa saber os pronomes pessoais “eu, tu, ele, nós, vós, eles” e falar tudo no presente do indicativo.

Conjugação é, sim, um assunto que nos pega no dia a dia de modo que não sabemos realmente combinar um verbo com seu modo, pessoa ou tempo. Além disso, muitas vezes surge a dúvida sobre a conjugação de verbos irregulares, ou até mesmo sobre as formas afirmativas e negativas do imperativo.

Bem, como não somos robôs, uma ajudinha não é nada ruim. Eu utilizo a ferramenta Conjuga-me.net no intuito de acertar mais (e saber mais) sobre os verbos que estão em meu cotidiano. Basta colocar o verbo no infinitivo (por exemplo: cantar, sofrer, partir) que a ferramenta automaticamente conjuga o verbo nos modos indicativo, subjuntivo e imperativo, em todos os tempos verbais e em todas as pessoas.

Veja a foto da tela que tirei com o verbo estudar:

Foi essa ferramenta que me fez entender o erro do antigo slogan da Caixa Econômica Federal, o famigerado “Vem pra Caixa você também”. Além de haver o erro na palavra “pra”, que não existe e é um erro comum nos textos que lemos por aí, o “vem” tenta ser um verbo no imperativo para o pronome “você”. Entretanto, no imperativo afirmativo, “vem” é ligado ao pronome “tu”, enquanto “venha” é ligado ao pronome “você”. Por isso, o certo seria: “Venha para a Caixa você também!”

Ferramentas de SINÔNIMOS e antônimos

Sinônimo é uma palavra ou expressão que significa exatamente (ou quase exatamente) uma outra palavra.

Quer exemplos de sinônimos?

As seguintes palavras são sinônimos da palavra “fácil“: acessível, simples, descomplicado.

As seguintes palavras são sinônimos da palavra “aurora“: alvorecer, amanhecer, alvorada.

Eu sou uma pessoa com uma memória de retomada muito ruim. Às vezes, quero dizer algo com outras palavras e não consigo me lembrar de bons sinônimos e antônimos.

Antigamente, eu teria de recorrer a pesados livros desatualizados de sinônimos e antônimos da língua portuguesa, mas hoje isso mudou.

O site de sinônimos que utilizo sempre que preciso é o sinonimos.com.br. Nele, basta colocar a palavra cujo sinônimo você quer resolver. É batata: ele traz a mesma palavra com suas expressões de sentido igual ou parecido.

Da mesma forma, utilizo o portal antonimos.com.br quando quero encontrar o sentido contrário ao termo que pesquiso.

Instagram como ferramenta de aprendizagem do português (sim, isso é muito sério)

Vamos falar a verdade: as redes sociais atrapalham para caramba os estudos. Só que elas podem ajudar.

Estranho isso, não é? É esquisito algo que atrapalha tanto poder ajudar em alguma coisa. Mas é isso mesmo.

No Instagram, dá para você seguir vários perfis, inclusive o do Esquemaria, para pegar alguns resumos de dicas legais de português.

Aqui estão meus perfis preferidos:

@esquemaria: é claro que eu deveria falar do Esquemaria! Afinal, nosso Instagram tem mapas mentais de português a todo instante, com questões comentadas e exercícios de fixação, então é um canal maravilhoso de aprendizagem.

@oficialeliasantana – é um dos professores de português que citei acima. Ele dá aula no Gran.

@portugues.concurso.dica.mansur – esse perfil é bem misturado, não é tão organizado, mas é legal por fazer uma compilação de todos os maiores perfis de Instagram de português. O cara é meio doido, ele ensina português direitinho, mas também dá dicas de direito e às vezes dicas do coração.

 

Português para quem quer escrever melhor

#

Conteúdo é

Poder fazer

Boa redação

 

A seguir, veremos algumas dicas rápidas de português que selecionei a dedo.

Interpretação de textos

Muitas pessoas se veem obrigadas a ler Machado de Assis para interpretar textos, o que é meio absurdo. Particularmente, eu gosto de ler Machado de Assis, mesmo com a birra que alguns caras intelectuais têm com ele. Só que nem todo mundo gosta (ou é obrigado a gostar) desse romancista.

Na verdade, eu já escrevi um artigo intenso sobre como interpretar textos sem precisar ler Machado de Assis. Você pode clicar aqui para ver o artigo completo, caso queira se aprofundar em como ganhar dos textos.

Neste Guia em que estamos, entretanto, vou dar ênfase aos seguintes pontos:

 

1. Em interpretação, você NUNCA deve extrapolar o conteúdo do texto

Se o texto disse “O Esquemaria é um ótimo site de concursos públicos” e a questão disse “O Esquemaria é um site de concursos públicos para gente esforçada”, a questão estaria errada, porque ela estaria extrapolando o que foi dito no texto. Então, nunca, nunca, nunquinha entre na ideia de “presumir” as coisas. Foque no que o texto disse implícita ou explicitamente.

 

2. Em interpretação, também é importante que você faça três leituras do texto

  1. uma leitura completa, sem parar;
  2. uma leitura dinâmica só para separar os conectivos que estiverem no texto; e
  3. uma leitura enquanto a questão é resolvida.

Morfologia

Em MORFOLOGIA, saiba diferenciar nas frases o que são substantivos, numerais, artigos, pronomes, adjetivos e verbos.

Você vai LITERALMENTE RE-SOL-VER frases separadas, porque isso será uma BASE para todo o conteúdo mais importante de concursos de português, que são aqueles conteúdos que eu falei lá atrás: pronomes relativos, concordância verbal e nominal e uso da vírgula.

Ortografia

Em ortografia, vire um nerd da acentuação gráfica.

Todo o restante de conteúdo de ortografia é praticamente irrelevante para o Cespe, que gosta de cobrar muito mais os significados e sinônimos das palavras em detrimento da forma como elas são escritas.

O que as pessoas erram em provas

Alguns elementos clássicos que caem em provas de português são:

Errar o futuro do subjuntivo dos verbos VER e VIR.

Quando eu vir meu nome na lista de classificados, ficarei feliz (do infinitivo: ver).

Quando eu vier morar nesta cidade, trarei meus cachorros (do infinitivo: vir).

Para não errar isso, você deve estudar VERBOS, especificamente o que é um INFINITIVO e como são conjugados os verbos no futuro do subjuntivo. Lembre-se da ferramenta que eu indiquei: Conjuga-me.Net.

Verbo preferir

Prefiro ler um livro a ver um filme. Você não pode dizer “prefiro ler um livro DO QUE ver um filme”. Com o verbo PREFERIR, é sempre “a” e nunca “DO QUE”.

Colocação pronominal

Em colocação pronominal, as orações não podem começar com o pronome, portanto, o certo é: “Ajude-me, Carol” e não “Me ajude, Carol”.

 

Valeuzão

E mais uma vez, obrigada por ter vindo até aqui, lembrando que o Canal SEMPRE tem conteúdo super didático de concursos públicos, e também temos aulas grátis das matérias principais de concursos rondando o nosso Canal, então seria muito inteligente de sua parte se você curtisse esse vídeo, e se inscrevesse no Canal, por aqui. Obrigada por ter assistido, e eu te vejo no próximo vídeo.

Lista de professores de redação/discursiva:

 

Lista de professores de escrita:

 

Lista de professores de literatura:

Perguntas frequentes

 

 

>